home
Busca

Encontrar artigo

Busca

Selecione o artigo desejado

Lei 11971 de 6/7/2009

Dispõe sobre as certidões expedidas pelos Ofícios do Registro de Distribuição e Distribuidores Judiciais.
O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Brasília, 6 de julho de 2009; 188º da Independência e 121º da República.

Art. 1º

Esta Lei dispõe sobre os requisitos obrigatórios que devem constar das certidões expedidas pelos Ofícios do Registro de Distribuição, serviços extrajudiciais, e pelos Distribuidores Judiciais.

Art. 2º

Os Ofícios do Registro de Distribuição, serviços extrajudiciais, e os Distribuidores Judiciais farão constar em suas certidões, obrigatoriamente, a distribuição dos feitos ajuizados ao Poder Judiciário e o resumo de suas respectivas sentenças criminais condenatórias e, na forma da Lei, as baixas e as sentenças absolutórias, quando requeridas.

Parágrafo único

Deverão constar das certidões referidas no caput deste artigo os seguintes dados de identificação, salvo aqueles que não forem disponibilizados pelo Poder Judiciário:

I

nome completo do réu, pessoa natural ou jurídica, proibido o uso de abreviações;

II

nacionalidade;

III

estado civil;

IV

número do documento de identidade e órgão expedidor;

V

número de inscrição do CPF ou CNPJ;

VI

filiação da pessoa natural;

VII

residência ou domicílio, se pessoa natural, e sede, se pessoa jurídica;

VIII

data da distribuição do feito;

IX

tipo da ação;

X

Ofício do Registro de Distribuição ou Distribuidor Judicial competente; e

XI

resumo da sentença criminal absolutória ou condenatória, ou o seu arquivamento.

Art. 3º

É obrigatória a comunicação pelos Órgãos e Juízos competentes, em consonância com a legislação de cada Estado-membro, aos Ofícios do Registro de Distribuição ou Distribuidores Judiciais do teor das sentenças criminais absolutórias ou condenatórias, para o devido registro e as anotações de praxe.

Art. 4º

Os Registradores de feitos ajuizados responderão civil e criminalmente, na forma do disposto no inciso I do caput do art. 31 e no art. 32 da Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994 , por danos causados a terceiros, decorrentes da omissão em sua certificação das exigências contidas nesta Lei.

Art. 5º

Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto