Decreto nº 3.156 de 27 de Agosto de 1999

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Dispõe sobre as condições para a prestação de assistência à saúde dos povos indígenas, no âmbito do Sistema Único de Saúde, pelo Ministério da Saúde, altera dispositivos dos Decretos nºs 564, de 8 de junho de 1992, e 1.141, de 19 de maio de 1994, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA , no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, e tendo em vista o disposto nos arts. 14, inciso XVII, alínea "c", 18, inciso X e 28-B da Lei nº 9.649, de 27 de maio de 1998, DECRETA:

Publicado por Presidência da República

Brasília, 27 de agosto de 1999


Art. 1º

A atenção à saúde indígena é dever da União e será prestada de acordo com a Constituição e com a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 , objetivando a universalidade, a integralidade e a equanimidade dos serviços de saúde.

Parágrafo único

As ações e serviços de saúde prestados aos índios pela União não prejudicam as desenvolvidas pelos Municípios e Estados, no âmbito do Sistema Único de Saúde.

Art. 2º

Para o cumprimento do disposto no artigo anterior, deverão ser observadas as seguintes diretrizes destinadas à promoção, proteção e recuperação da saúde do índio, objetivando o alcance do equilíbrio bio-psico-social, com o reconhecimento do valor e da complementariedade das práticas da medicina indígena, segundo as peculiaridades de cada comunidade, o perfil epidemiológico e a condição sanitária:

I

o desenvolvimento de esforços que contribuam para o equilíbrio da vida econômica, política e social das comunidades indígenas;

II

a redução da mortalidade, em especial a materna e a infantil;

III

a interrupção do ciclo de doenças transmissíveis;

IV

o controle da desnutrição, da cárie dental e da doença periodental;

V

a restauração das condições ambientais, cuja violação se relacione diretamente com o surgimento de doenças e de outros agravos da saúde<strong> ;

VI

a assistência médica e odontológica integral, prestada por instituições públicas em parceria com organizações indígenas e outras da sociedade civil;

VII

a garantia aos índios e às comunidades indígenas de acesso às ações de nível primário, secundário e terciário do Sistema Único de Saúde - SUS;

VIII

a participação das comunidades indígenas envolvidas na elaboração da política de saúde indígena, de seus programas e projetos de implementação; e

IX

o reconhecimento da organização social e política, dos costumes, das línguas, das crenças e das tradições dos índios.

Parágrafo único

A organização das atividades de atenção à saúde das populações indígenas dar-se-á no âmbito do Sistema Único de Saúde e efetivar-se-á, progressivamente, por intermédio dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas, ficando assegurados os serviços de atendimento básico no âmbito das terras indígenas.

Art. 3º

O Ministério daSaúde estabelecerá<strong> as políticas ediretrizes para a promoção, prevenção e recuperação da saúde do índio, cujas ações serão executadas pela Fundação Nacional de Saúde - FUNASA.

Parágrafo único

A FUNAI comunicará à FUNASA a existência de grupos indígenas isolados, com vistas ao atendimento de saúde específico.

Art. 4º

Para os fins previstos neste Decreto, o Ministério da Saúde poderá promover os meios necessários para que os Estados, Municípios e entidades governamentais e não-governamentais atuem em prol da eficácia das ações de saúde indígena, observadas as diretrizes estabelecidas no art. 2º deste Decreto. A (Revogado pelo Decreto nº 4.645, de 25.3.2003)

Art. 8º

A FUNASA contará com Distritos Sanitários Especiais Indígenas destinados ao apoio e à prestação de assistência à saúde das populações indígenas.

§ 1º

Os Distritos de que trata este artigo serão dirigidos por um Chefe DAS 101.1 e auxiliados por dois Assistentes FG-1.

§ 2º

Ficam subordinadas aos respectivos Distritos Sanitários Especiais Indígenas as Casas do Índio, transferidas da FUNAI para a FUNASA, cada uma delas dirigida por um Chefe FG - 1.

§ 3º

Ao Distrito Sanitário Especial Indígena cabe a responsabilidade sanitária sobre determinado território indígena e a organização de serviços de saúde hierarquizados, com a participação do usuário e o controle social.

§ 4º

Cada Distrito Sanitário Especial Indígena terá um Conselho Distrital de Saúde Indígena, com as seguintes atribuições:

I

aprovação do Plano Distrital;

II

avaliação da execução das ações de saúde planejadas e a proposição, se necessária, de sua reprogramação parcial ou total; e

III

apreciação da prestação de contas dos órgãos e instituições executoras das ações e serviços de atenção à saúde do índio.

§ 5º

Os ConselhosDistritais de Saúde<strong> Indígena serão integrados de forma paritária por:

I

representantes dos usuários, indicados pelas respectivas comunidades; e

II

representantes das organizações governamentais envolvidas, prestadoras de serviços e trabalhadores do setor de saúde.

Art. 9º

Poderão ser criados, pelo Presidente da FUNASA, no âmbito dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas, Conselhos Locais de Saúde, compostos por representantes das comunidades indígenas, com as seguintes atribuições:

I

manifestar-se sobre as ações e os serviços de saúde necessários à comunidade;

II

avaliar a execução das ações de saúde na região de abrangência do Conselho;

III

indicar conselheiros para o Conselho Distrital de Saúde Indígena e para os Conselhos Municipais, se for o caso; e

IV

fazer recomendações ao Conselho Distrital de Saúde Indígena, por intermédio dos conselheiros indicados.

Art. 10º

As designações dos membros dos Conselhos Distritais de Saúde Indígena e dos Conselhos Locais de Saúde serão feitas, respectivamente, pelo Presidente da FUNASA e pelo Chefe do Distrito Sanitário Especial Indígena, mediante indicação das comunidades representadas.

Art. 11

A regulamentação, as competências e a instalação dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas serão feitas pelo Presidente da FUNASA, até a publicação donovo Estatuto e doRegimento Interno da Fundação.

Art. 13

Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 14

Ficam revogados os arts. 11, 12, 13 e 14 do Decreto nº 1.141, de 19 de maio de 1994 ; e os Decretos nºs 1.479, de 2 de maio de 1995, 1.779, de 9 de janeiro de 1996 ; e 2.540, de 8 de abril de 1998.


; 178º da Independência e 111ºda República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO José Carlos Dias José Serra Martus Tavares

Este texto não substitui o publicado no DOU de 28.8.1999

Anexo

ANEXO I

REMANEJAMENTO DE CARGOS

CÓDIGO

DAS

DA FUNAI P/ A FUNASA

UNITÁRIO

QUANT.

DAS-UNIT.

DAS 101.4

3,08

1

3,08

DAS 101.3

1,24

2

2,48

DAS 101.1

1,00

24

24,00

SUBTOTAL 1

27

29,56

FG-1

0,31

49

15,19

SUBTOTAL 2

49

15,19

TOTAL (1+2)

76

44,75

ANEXO II(Revogado pelo Decreto nº 3.382, de 14.3.2000)

(Decreto nº 1.351, de 28 de dezembro de 1994)

ANEXO LXVIII

QUADRO RESUMO DE CUSTOS DE CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES DE

CONFIANÇA DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO

CÓDIGO

DAS UNITÁRIO

QTDE.

VALOR TOTAL

DAS 101.6

6,52

1

6,52

DAS 101.5

4,94

3

14,82

DAS 101.4

3,08

20

61,60

DAS 101.3

1,24

85

105,40

DAS 101.2

1,11

360

399,60

DAS 101.1

1,00

157

157,00

DAS 102.3

1,24

6

7,44

DAS 101.2

1,11

35

38,85

DAS 102.1

1,00

13

13,00

SUBTOTAL 1

680

804,23

FG-1

0,31

242

75,02

FG-2

0,24

42

10,08

FG-3

0,19

39

7,41

SUBTOTAL 2

323

92,51

TOTAL (1+2)

1.003

896,74

ANEXO III(Revogado pelo Decreto nº 3.450, de 2000

(Decreto nº 1.351, de 28 de dezembro de 1994)

ANEXO LXXIV

QUADRO RESUMO DE CUSTOS DE CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES DE

CONFIANÇA DA FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE

CÓDIGO

DAS UNITÁRIO

QTDE.

VALOR TOTAL

DAS 101.6

6,52

1

6,52

DAS 101.5

4,94

5

24,70

DAS 101.4

3,08

14

43,12

DAS 101.3

1,24

48

59,52

DAS 101.2

1,11

16

17,76

DAS 101.1

1,00

376

376,00

DAS 102.3

1,24

4

4,96

DAS 101.2

1,11

2

2,22

DAS 102.1

1,00

8

8,00

SUBTOTAL 1

474

542,80

FG-1

0,31

416

128,96

FG-2

0,24

425

102,00

FG-3

0,19

514

97,66

SUBTOTAL 2

1.355

328,62

TOTAL (1+2)

1.829

871,42